Assembléia Legislativa na luta pelo fim da CPMF

           A Assembléia Legislativa vai apoiar o primeiro encontro público, promovido pela Fiesp, para difundir e fortalecer o movimento contra a prorrogação da CPMF. O evento será no dia 6 de agosto no Teatro do Sesi, na Avenida Paulista, e pretende reunir cerca de mil vereadores do Estado de São Paulo. A data foi confirmada durante reunião da Frente Parlamentar Contra a CPMF e Pela Redução da Carga Tributária Brasileira, que aconteceu na Assembléia nesta quinta-feira, 12/7, sob a coordenação do deputado João Caramez (PSDB). 
           Participaram da reunião representantes de entidades da sociedade civil como Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo (Sescon), ABC Farma e Sincofarma, Ação Brasileira de Apoio ao Setor de Serviços (Abrasse), Sindicato dos Hospitais do Estado de São Paulo (Sindhosp), além de vereadores da região. 
           O ato público, em São Paulo, faz parte de uma série de ações propostas pela frente a fim de pressionar o Congresso Nacional a votar contra a prorrogação da contribuição. A votação dos deputados federais deverá acontecer até 30 de setembro e, se aprovada a emenda constitucional que prorroga a CPMF, a mesma vigorará por mais cinco anos. 
           No parlamento paulista, a frente conta com a adesão de 27 deputados e o objetivo é buscar também a participação de outros segmentos da sociedade. Para isso, algumas ações foram definidas durante a reunião do órgão, entre elas, a criação de um comitê de imprensa para ampliar a divulgação na mídia e obter seu apoio. 
            O comitê está encarregado de enviar releases aos jornais do interior, contatar assessorias de imprensa, emissoras de televisão e o Sindicato dos Jornalistas para convidá-los a se inserirem nessa iniciativa. Afinal, ”o assunto é de interesse de todos enquanto cidadãos”, avaliou Paulo Lofreta, do Abrasse.
            Segundo estudos, a contribuição sobre movimentações financeiras deduz do bolso do brasileiro o equivalente a sete dias de trabalho por ano para rendas de R$1.000,00 por mês. Eles revelam também que a passividade da população diante desse resultado é porque a maioria desconhece o fato. Fausto Longo, gerente geral do Departamento de Ação Regional da Fiesp, afirmou que o envolvimento da imprensa é fundamental para conscientizar a sociedade sobre essa situação, bem como divulgar sua indignação sobre tal cobrança.
            Outras visitas com propostas de adesão serão feitas aos representantes da Força Sindical e da Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), na capital. Caramez encaminhará também aos 966 deputados dos demais Estados brasileiros um e-mail conclamando-os a aderirem ao movimento. Na pauta ficou decidido ainda o agendamento de uma reunião com o deputado federal Paulo Bornhausenr (DEM/SC), coordenador da frente nacional denominada “Xô CPMF”, para agregar forças.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.