Deputado evita greve dos trens que atingiria 2 milhões de trabalhadores

      Foi a intermediação do deputado estadual João Caramez (PSDB) entre os ferroviários e a diretoria da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) que evitou uma greve dos trens programada para ter início na última segunda-feira, 20. A paralisação iria acontecer por decisão do comitê de campanha salarial formado por quatro sindicatos da categoria que estava pleiteando da Companhia reajuste e aumento real dos salários além de mudanças no plano de carreira.
 
         Na quinta-feira passada, 16, Caramez foi procurado pelo comitê de campanha em seu gabinete na Assembléia Legislativa do Estado para ser o interlocutor junto à CPTM. O grupo estava composto por Feres Mohamad Amin, diretor-adjunto do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo; Everson Craveiro, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana; Edson Gutierrez dos Santos, do Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil e Eluiz Alves de Matos, do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo.
 
         Para os representantes dos sindicatos, a participação de Caramez foi decisiva para evitar a greve que atingiria mais de 2 milhões de trabalhadores da Região Metropolitana de São Paulo. “Sua atuação foi fundamental para que entrássemos num entendimento e cancelássemos a greve marcada para a segunda-feira”, disse Gutierres.
 
         “Isso tudo graças à prontidão com que fomos atendidos, pois o deputado Caramez ligou na hora para o presidente da CPTM e solicitou um encontro para aquele mesmo dia”, contou Amin, que ficou sabendo no encontro que o deputado já trabalhou como ferroviário e tem muito carinho pela categoria principalmente porque seu pai, Rubens Caramez, foi um ferroviário.
 
         “Sem a interlocução do deputado, com certeza não teríamos tido uma abertura tão imediata junto ao Governo”, concordou Craveiros. “Outro ponto positivo foi que o deputado Caramez conseguiu fazer com que fôssemos ouvidos diretamente pelo Governo, sem intermediários e isso, além de resolver o impasse abriu um canal que não tínhamos até então”, concluiu Matos.
 
         Após as negociações de mais de seis horas, na sede da CPTM, com Caramez e o diretor presidente Sérgio Henrique Passos Avelleda, os integrantes do comitê de campanha decidiram apresentar as propostas para os demais funcionários numa assembléia geral marcada para a noite do dia seguinte, na sexta-feira. Por decisão de todos os 6.200 ferroviários, o comitê aceitou o acordo e cancelou a paralisação prevista para o dia 20.
 
         A CPTM concordou em conceder um reajuste de 6,35% e um aumento real de 1,5% para todos os funcionários, que terão ainda aumento no vale-refeição. Os cerca de 2.800 funcionários que estavam com o salários defasados em comparação com o valor de mercado também terão aumento escalonado para que os pisos salariais fiquem equilibrados.
Caramez recebe ferroviários em seu gabinete…
… e com o grupo, apresentando as reivindicações ao presidente da CPTM (de amarelo)

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.