Transporte hidroviário é discutido em Jaú e Araçatuba

           A Frente Parlamentar das Hidrovias (FPH), coordenada pelo deputado João Caramez (PSDB), realizou na tarde de sexta-feira, 06/06, na Câmara Municipal de Jaú, a sua segunda reunião itinerante. O encontro foi organizado em conjunto com a Associação dos Municípios do Centro do Estado de São Paulo (AMCESP) e do Consórcio Intermunicipal Tietê Paraná (CITP).
            Participaram da Mesa de Debates, José Roberto dos Santos coordenador de Infra-estrutura e Logística da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo; José Victor Mamede, do Departamento de Infra-Estrutura da FIESP; Oswaldo Rosseto, do Departamento Hidroviário; e. Ricardo Camargo, da Fundação Instituto de Administração (FIA-USP).
            Na segunda-feira, 09, aconteceu na Câmara Municipal de Araçatuba a terceira reunião, que desta vez contou com a participação do presidente da Cooperhidro, Carlos A. Farias de Souza e do vice-presidente da Câmara, Jaime José da Silva. Também participaram do debate diversos vereadores da região, representantes da UDOP (União dos Produtores de Bioenergia) e autoridades locais.
Os encontros tiveram como objetivo apresentar o relatório sobre o sistema hidroviário paulista concluído no final do ano passado pelos integrantes da Frente e promover um debate sobre o melhor aproveitamento da Hidrovia Tietê-Paraná e o desenvolvimento econômico dos municípios situados em sua área de influência.
            No Estado de São Paulo, segundo Caramez, tem havido fortes investimentos na construção e manutenção da hidrovia Tietê-Paraná, mas ela transporta apenas 20% da sua capacidade. “As hidrovias são um modal que tem como base um insumo de uso múltiplo, que é a água. Não podemos perder a oportunidade de continuar o desenvolvimento do setor por conta da questão energética”, enfatizou.
            Oswaldo Rosseto, do Departamento Hidroviário, ressaltou a importância dos trabalhos da Frente Parlamentar que tem estimulado o governo do Estado a buscar novas alternativas para implementar o modal hidroviário. Ele anunciou, por exemplo, que a secretaria dos Transportes planejou para os próximos quatro anos um investimento de R$ 176 milhões para alargar os vãos entre os pilares de algumas pontes para possibilitar o tráfego de comboios cada vez maiores.
            O plano compreende intervenções em sete pontes no Rio Tietê. A proteção dos pilares já permite passar com comboios menores. Mas, a obra se faz necessária para possibilitar a passagem de comboio de quatro chatas (barcaças), de uma única vez.
            “Em vãos menores a transposição só é possível desmembrando o comboio, com a passagem de duas barcaças por vez. Esse processo implica parar o comboio, amarrar duas barcaças, passar a ponte com as demais, voltar com o empurrador para pegar as que ficaram para trás, e assim por diante. Ampliando os vãos, conseguiremos reduzir o tempo total de cada viagem em quase 20%”, explicou Rosseto, acrescentando que a Secretaria já abriu a concorrência para iniciar as obras da última ponte da SP 255, onde se passa apenas uma barcaça de cada vez.
            Os eventos possibilitaram a troca de experiências entre os interessados e análises pontuais sobre a situação dos portos das duas regiões e também contaram com a exposição itinerante Hidrovia Tietê Paraná, que faz parte do Projeto Tietê nas Escolas, coordenada por Miguel Ribeiro.
 
Mesa Oficial dos Trabalhos em Araçatuba
Exposição Tietê nas Escolas

Mesa oficial dos trabalhos na cidade de Jaú

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.